Sonhos rotos vazios de palavras
Onde habita num subúrbio
Toda a minha tristeza
Como um pântano de borboletas
No cair das folhas de outono
Deixa que os meus silêncios te falem
Deixa que a minha dor se esconda
Deixa que a minha solidão te procure
Deixa que as palavras se tornem carícias
Deixa que a minha voz vagueie muda
Num sonho coberto de amor
Nesta noite fria onde a nossa paixão
Voou nos braços da noite, de sentidas palavras.