Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

AMO O DIA

Amo o dia, odeio a noite
Sigo as sombras que me cercam
Neste desespero que me consome
Quando desço os sublimes montes
Porque o meu seio é de vazias ilusões
Do meu manto escuro na serra
Nas plantas que planto nos areais extensos
De finos espinhos que me rasgam os pés
Sarcasmo feitos de escárnios em desventuras
Névoas entre a serra de suave neblina
Que a minha alma cansa só de olhar
Na brilhante valquíria das brumas do norte
Entre os clamores de fria morte
Da minha pobre alma que congela só de pensar.