Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

CANSADA

CANSADA

Estou cansada desta vida
Estou cansada de padecer
Já não quero assim continuar
Tu que nasceste comigo
Comigo hás-de morrer ó morte
Eu te levarei, te enterrarei comigo
Nesta puta vida que é fodida
Palavras rudes feridas na alma
Sentimentos repletas de lamentos
No peito feridos de morte sem norte
Estou cansada das trevas que me cobiçam
A alma deste meu corpo podre
Fúrias do lume que me queima a mente.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca