Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

"CONTEMPLAÇÃO"


Escuto as notas do silêncio

Onde morre um verso numa estrada de alcatrão

Poema vazio desamparado no chão

Escrito numa folha tantas vezes ignorada

Escrevo simplesmente pelo prazer que me confere a escrita

Não para tu gostares, mas se gostares melhor ainda

O gosto de sentir a areia quente deste outono

Toca a minha alma fria no verão passado

Caminho de um destino já tantas vezes adormecido

Sinto no corpo uma dor talvez esquecida

Árvore no outono sem folhas despida de pranto

Onde quero celebrar as rugas do meu rosto.

Amar-te com o tremor das minhas mãos

Beijar a tua boca com os meus lábios calejados

Contemplar-te com emoção e serenidade

Que repousa no meu peito, neste tapete de outono

Onde a solidão nos abriga ao seu íntimo sonho

Escuto as notas do silêncio

Lidas e escritas numa folha em branco tantas vezes ignorada!