Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

ESCREVO PARA QUÊ

Escrevo com o peito aberto
Sem saber porquê e para quê
Talvez seja para me libertar
De todas as palavras sentidas
De todos estes pensamentos
Que habitam dentro de mim

A poesia navega
No meu sangue
Dentro das minhas veias
Como as águas do rio
Correm para o mar
Numa poética liberdade
De tanto amar num poema