Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

EUFORIA

EUFORIA

Euforia no meu silêncio
Das muitas noites sem dormir
Insònia de tantos acordes
Memórias já dormentes
Pandemónios com estigmas
Entre a luz e as trevas
De um sentimento profundo
Parido nas horas remoídas
De uma noite de inverno
Noites inoportunas nuas de luz
Entre os meus destroços, renúncias
Das dores desabitadas de rugas
No vento que não chega a distância
Enquanto eu conto todas as horas
Que escrevo nos meus versos
Uma esperança vã no simulacro da vida
Cama no vazio, no frio, no silêncio
Recolhida de todos os fios, entre a solidão
Da minha insónia, leio e releio as cartas
Escritas por ti nas fragas da serra
Onde o sol rasga entre as persianas do quarto.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca