Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

LEMBRANÇAS

Lembranças que partem das
Letras que ardem nas mãos
Quando a tua boca se cala
Respirando a esperança parida
Nos sonhos de tantas letras

Que respiram nos teus lábios
Nas palavras rasgadas
No ventre de todos os caminhos
Transformando num poema parido

Saudades que sente em silêncio
Nos sonhos que ficaram por sonhar
Para me lembrar como é bom amar
Sem barreiras que nos impeçam

De sonhar, amar, viver, sentir