Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

OUTONO DE LETRAS

Línguas de outono, árvores despidas folhas no chão

Escrevo palavras em forma de letras

Com o desejo do vento, que quer as folhas no chão

Gravo as palavras nas rotas dum livro, que quero navegar

Dito as cartas de uma cartografia doce da minha alma

Letras engarrafadas de teu amado corpo

Mar de gestos subtis nas ondas de ti em mim

Desejo-te como as raízes secas a pedir chuva no verão

Outono eterno, corpo desmaiado na memória das águas do passado

Eternos namorados nos vendavais das palavras que se cruzam

Nos teus dias e nos meus, onde não existe cegueira

Apenas sussurros, gemidos de desejos

Palavras sobre a língua do vinho fermentado

Suspiros recolhidos com o teu sorriso..

Rosmaninho doce do teu beijo, licores feitos com o nosso amor

Que bebo e de ti resguardo ainda as promessas por abrir..

Outono de línguas em forma de letras escritas no nosso pensamento

Letras engarrafadas que o vento deseja todas as folhas das árvores no chão!