Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

PERCORRO AS AREIAS

Percorro as areias do deserto
Flagelando no meu peito as dores
Da minha alma, se tiver que sofrer, sofro
É na demência que encontro a salvação
Talvez a sanidade que tanto procuro
Já não sei quem sou, que angústia
Que sinto, que dor, que sofrer atroz
Este, que me engole viva, meu Deus
Que me elouquece e me leva a chamar-te
As areias secam-me a garganta
Tolhendo-me a voz, que desespero
Que inferno este onde a besta sacia
A sua devoradora fome, comendo-me a carne
Do meu corpo fatigado pelo deserto
Ensombrando-me a alma já tão fatigada
Que se encontra que aflição esta
Que amarga me encontro, neste meu desepero
Sinto esta dor que me rasga a alma
Que me devora a mente, sinto enlouquecer
Devagar como se o não ouvesse tempo
Como se o meu corpo tivese parado no inferno
Flagelando-me a carne, sem dó ou piedade.