Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

QUANDO PARTIR

Quando partir serei
Um ser delicioso
Talvez um verme
Um pouco de nada
Invisível na poeira
Uma folha seca levada
Pelas águas que correm
Com força para o mar
Um misterioso sentido
Já esquecido de alguém
Um amoroso sentimento
Onde foi enterrado
No meu longo repouso.