Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

RASGO O VÉU

Rasgo o véu que me cobre o corpo
Envolvo a minha língua na tua boca
Mastigo todas as dores em melodia
No canto feroz das cotovias
Mendigo o nécter de ti nas flores
Que me dão a razão de viver
És o lume que me queima o corpo
Onde arde os corpos sedentos
De amor na escalada de nós
Lambendo as feridas deixadas
No degredo das tuas mãos
Afugentando todas as dores do meu corpo
Meu amor