Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

SÃO LONGAS

São longas as noites
Que passo sem dormir
Insónias nocturnas
Nestas trevas profundas
Não sei o que sentir
A dor persiste, insiste
Na escuridão é que reflicto
Sobre o que tenho sido
Sinto-me a morrer devagar
Lentamente, sem querer morrer
Nesta minha punição que me fere
Que sangra,rasga-me no peito
Que me dilacera e tortura
Com intensidade na pele
E se propaga no corpo
Destas malditas insónias dolorosas.