Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

SONHOS DE INVERNO


Sonhos nas manhãs deste inverno 

No crepúsculo ferido ou perdido 

- Que acaricia o som das palavras

Se alguma vez tu me perguntares


- Porque - desenhei os teus traços 

Numa tela que vive no meu coração

- Eu responderei - é porque te amo

Enquanto as tuas mãos imaginam 


- O contorno som de meus lábios

Numa noite rabiscada no espelho

- Do nosso pequeno, grande quarto

Estarei já na cavidade da tua boca


- Sedenta de sangue, corre nas veias 

Neste grande dia, longa madrugada

- Simplesmente maravilhosa nirvana 

Fogo teu, fogo meu em corpos nus


" No sonho com a nossa prosperidade

Na batalha para a nossa felicidade."