Loading

ISABEL MORAIS RIBEIRO FONSECA

castelafonseca@sapo.pt

UM DIA DE AMOR

Olho para depois mergulhar pela tua pele
Como os morangos banhados no chocolate
A tua respiração já está ofegante, bebes
Água fresca de coco no prelúdio dos beijos
Dados, desejados na loucura da minha boca
Caipirão de licor beirão que fresco e saboroso
E nós fechados neste quarto, que resfrescante
O corpo ansioso pelo toque num tal arrepio
Na ponta dos dedos se sente todos sentimentos
Despertados perfumados pelo amor que sentimos
E pela fome que tal um ossobuco de vitela mirandesa
Com um molho especial que nos queima na boca
Para acompanhar um bom vinho do Douro ou do Dão
Olhamos da janela, lá fora chove ouvem-se as gotas
Da chuva a bater na janela, mas nós somos alheios
Ao tempo, somos dois animais selvagens com um apetite
De lobos soltos numa reserva, na serra de fragas, giestas
Olhamos um para o outro e soltamos um sorriso em
Gargalhadas comemoramos já alguns anos de casados
Mas a fome que sentimos um pelo outro é como do
Primeiro ano de casados, o perfume está no ar
Gosto de olhar-te sem saberes, da tua nudez
Dos teus beijos, sussurros tão íntimos que percorria
O meu corpo afinava o meu desejo num beijo
Entre as pêras, ao vinho tinto que delicia exótica
Os lábios molhados encontram-se de novo
Num encontro de línguas, no afago dos dedos
Despertando arrepios enquanto a pele alisa-se
Descobrindo nestes toques deliciosos os teus segredos
Jogo ardente e gostoso que envolve o corpo e a mente
O exótico drinque é feito com kiwi, maçã, gengibre
Mel e vodka Smirnoff que delicia, está tanto calor
Num dia de chuva feito de versos de sedução
Num fluído doce, molham o nosso poema de paixão
Petit gâteau de queijo da Serra da Estrela
Despertam doces desejos em fantasias
Derramando amor em poesia, num dia quente
Dentro de um quarto de uma casa de campo, na serra
Lá para os lados da nossa casa, que delicia
Sermos selvagens como os lobos, amando-se em liberdade.